Inscreva-se no próximo workshop on-line de introdução ou visualize gravações de workshops introdutórios anteriores. Todas as oficinas introdutórias são gratuitas.

O que é lembrança de si?

Como posso me observar? “Aprender os métodos de auto-observação e de auto-estudo correto”, disse George Gurdjieff, “requer uma certa compreensão das funções e das características da máquina humana.” Neste workshop introdutório gratuito,  compartilharemos alguns métodos de auto-observação e experimentaremos observar nossas três funções básicas: intelectual, instintivo-motora e emocional. Formaremos um grupo do WhatsApp após o workshop e continuaremos as observações diárias nesses três centros.

Como me observar?

Como posso me observar? “Aprender os métodos de auto-observação e de auto-estudo correto”, disse George Gurdjieff, “requer uma certa compreensão das funções e das características da máquina humana.” Neste workshop introdutório gratuito,  compartilharemos alguns métodos de auto-observação e experimentaremos observar nossas três funções básicas: intelectual, instintivo-motora e emocional. Formaremos um grupo do WhatsApp após o workshop e continuaremos as observações diárias nesses três centros.

Imaginação

“Cada homem normal tem energia suficiente para começar o trabalho sobre si”, disse Gurdjieff. “É necessário apenas que aprenda a economizar, em vista de um trabalho útil, a energia de que dispõe e que na maior parte do tempo, desperdiça inutilmente”. Neste workshop online vamos analisar como o hábito da imaginação é responsável por drenar a energia que poderia ser usada para nosso trabalho interior.

Trabalhando com a pressa

Neste workshop falamos sobre como trabalhar com a pressa. Nós andamos, falamos, dirigimos, comemos depressa demais. Neste workshop analisamos a origem da pressa e como resistir a ela pode ser usado para prolongar a presença. Em que situações você observou e lutou com a pressa? Qual o estímulo leva você a ter pressa?

Essência e personalidade

Na luta constante para escapar da prisão de nossa máquina, a falsa personalidade é uma barreira porque nos afasta de nossa essência e nos torna mais mecânicos. Conhecer e “ser” nossa essência é uma tarefa fundamental em nosso caminho para o despertar. Neste workshop, descreveremos as principais ferramentas para “ser” nossa essência e atingir estados superiores de consciência.

Os quatro centros inferiores

Nossas manifestações podem ser agrupadas de acordo com sua função, e pode-se ver que elas são originadas por quatro “mentes” diferentes. Na terminologia do Quarto Caminho, essas “mentes” são denominadas “centros inferiores”. Neste workshop, vamos explorar os “quatro centros inferiores”, suas manifestações, peculiaridades, e velocidade de ação.

Consciência e funções

Neste workshop começaremos por definir a consciência, porque esse termo pode significar coisas diferentes em diversos ensinamentos. A seguir definiremos as funções para não confundir consciência e funções. Funções se referem ao ato de pensar, sentir, caminhar e assim por diante. A consciência, ao contrário, se refere a um estado.

O “eu” observador

Neste workshop falaremos sobre os estágios da evolução do centro magnético até chegar ao mordomo. O centro magnético existe para que uma pessoa busque o conhecimento esotérico, mas é essencial que ele se feche após ela ter encontrado uma escola ou ela continuará a procurar indefinidamente. Iremos abordar o processo de transformação do centro magnético no “eu” observador e, finalmente, a evolução do “eu” observador no mordomo.

Porque precisamos de uma escola? (18/12/17)

Neste workshop vamos falar sobre a necessidade de uma escola e sobre as três linhas de trabalho: O trabalho em si mesmo, o trabalho com outra pessoa e o trabalho para a escola. Vamos falar porque a Comunidade do Ser é uma escola e quais são suas características.

Os muitos “eus”

Por que não podemos lembrar-nos de “Ser” simplesmente porque nós queremos “Ser”? Por que precisamos de lembretes externos? A razão reside na nossa multiplicidade, em nossos muitos “Eus”. Neste workshop, vamos examinar nosso mundo psicológico como uma multiplicidade. Vamos sobrepô-lo a uma pintura de Jesus pregando às multidões e vamos explorar como manter o objetivo apesar da nossa falta de unidade.