Foi uma longa viagem à Itália do Canadá. Depois de 10 horas em dois aviões, 3 horas de tempo de conexão e algumas horas em táxis, finalmente estou em Roma, em frente ao apartamento principal do evento. É tarde da manhã e eu não dormi por mais de 15 horas.

Post escrito pelo Evgueni

Os membros do BePeriod começam a chegar e se juntar na rua – o primeiro olhar nos olhos, os primeiros abraços, a primeira comunicação verbal, as primeiras impressões da vida real. Deixamos nossas malas no apartamento e vamos explorar Roma liderados pelo Asaf. A caminhada da noite é concluída por uma recepção que termina tarde à noite. As pessoas se movem vagarosamente pela sala, e eu sinto que nos conhecemos há muito tempo (o que é um pouco verdadeiro, considerando nossas reuniões on-line). Parece que estou em companhia de bons velhos amigos. Amigos de essência.

Nesse ponto estou há mais de 24 horas sem dormir, mas surpreendentemente não estou cansado e quero passar mais tempo com meus novos e antigos amigos. Meu corpo entendeu primeiro — algo mudou, alguma energia entrou em cena, e isso tornou-se óbvio no nível fisiológico.

Um curto sono de 5 horas e mais uma vez estou andando pelas ruas de Roma, observando, ouvindo, fazendo perguntas e recebendo impressões. No final do segundo dia, dificilmente acredito que cheguei faz menos de 48 horas. Parece que estou aqui faz uma semana. A sensação de tempo também se alterou, o tempo tornou-se “condensado”. Outro sinal de um estado diferente.

Enquanto minha mente intelectual tenta processar todas as novas informações e impressões, meu centro emocional é elevado a um estado que eu não tinha experimentado antes. Eu já podia reconhecer o “gosto” do estado superior, mas o que geralmente dura apenas alguns segundos estava durando por vários dias. Além disso, não consigo isolar nenhuma ocasião particular que mudou meu estado.

Claro, algumas coisas se destacaram mais do que outras e ainda são vivas na minha memória: olhando os afrescos na Basílica de Santa Maria em Trastevere ouvindo os comentários profundos do Asaf, a caminhada intencional para a Piazza Navona, as conversas pensativas com o Asaf e, claro, as peças sobre os mistérios dirigidas por Ansley na última noite.

No entanto, parecia que toda e qualquer experiência contribuía para esse estado: o café expresso e o croissant de manhã (ambos incríveis!) com amigos no Cafè Bianco, a lavagem de pratos à meia-noite com Anselmo, as percepções tranquilas de Andras, Myrto e Hannah, a cerveja à uma da manhã com Kalev e Ilya, o jogo das cores no fim da noite com o Fabrizio, o Paolo, a Mayra e a Olga, o passeio no táxi cheio com o Mário e a Regina, o chá com Goran. Cada uma dessas peças individuais teve o seu lugar no incrível mosaico emocional.

Senti que essa reunião tornou algo possível. As pessoas que antes eram apenas vozes e rostos na tela do computador ganharam almas, e muitas palavras que antes eram apenas compreendidas intelectualmente ganharam significado emocional. Mas, o mais importante, verifiquei um estado superior, um estado de graça. No cristianismo ortodoxo, a graça é descrita como uma dádiva que vem de cima. Este evento de Roma me abriu para recebê-la, para ser inspirado.

Pular para a barra de ferramentas