Categoria de Arquivo:

Emoções Negativas

O centro emocional é o mais rápido dos quatro centros inferiores. Isso significa que o controle das emoções é a última barreira antes de penetrar completamente no momento. Aumentamos a nossa capacidade de controlar as emoções, resistindo a expressão da negatividade. Este vídeo tutorial explora o esforço da não expressão e explica o seu papel central na transformação da nossa identidade dos muitos ‘Eu’s para o verdadeiro ‘Eu’.

Os Quatro Centros Inferiores (Parte I)

Assim como a fotossíntese aumenta a produção de energia em uma planta, a lembrança de si aumenta a produção de energia no microcosmo. Isto significa que depois de uma série de esforços bem sucedidos temos mais energia à nossa disposição. Esta energia é volátil e vai procurar uma maneira de vazar. “Se nós não pararmos esses vazamentos” aconselha Peter Ouspensky, “o aumento da produção somente irá aumentar os vazamentos”. Portanto, no contexto do Trabalho de Abril de focar nos esforços bem sucedidos, vamos dedicar esta próxima semana a observar e parar vazamentos.

Conhecimento e Ser

Durante o trabalho de fevereiro, nós experimentamos com o uso dos nossos hábitos mais profundos como combustível para a observação de si. Para isso, precisamos usar a inteligência, ao invés de esforços vigorosos. Quando nosso entendimento de nós mesmos se aprofunda, o mesmo acontece com nossa habilidade de realizar esses esforços inteligentes.

A compreensão é o resultado do crescimento simultâneo do conhecimento e do ser. A exploração do príncipe Sidarta fora de seu castelo representa esse processo, em que o príncipe testemunha por primeira vez coisas novas (ser) e depois recebe a explicação do seu significado do seu cocheiro (conhecimento). Neste tutorial, nós aplicamos este princípio ao trabalho com a negatividade.

Identificação

Uma vez que a não-identificação é o nosso trabalho para fevereiro de 2017, vamos rever o tutorial sobre identificação. Se eu não posso ver os pensamentos, sensações e emoções deste momento como uma pequena parte de mim, então eles assumem a minha identidade; eu caio no que este ensinamento chama de “identificação”. “Identificar-se é o principal obstáculo para a lembrança de si”, disse George Gurdjieff. “Um homem que se identifica com qualquer coisa é incapaz de se lembrar de si mesmo”.

Separação e Nomeação

Nosso trabalho durante o mês de janeiro foi definir metas. Isso nos forçou a nos observar e nos levou a explorar nossos traços principais. O que resta para o trabalho de janeiro é nomear o traço que observamos de uma maneira pessoal, uma que o caracteriza sem julgamento. Ao nomear separamos a mente da identificação, abrindo a porta para uma separação mais profunda.

A auto-observação

Nós nos tornamos responsáveis pelo que vemos. No momento em que testemunho a manifestação do meu sono, minha consciência não pode permanecer clara sem minha tentativa de trabalhar nessa manifestação. Portanto, as metas enraizadas na auto-observação são acompanhadas pelo desejo de mudança, um combustível indispensável para o esforço. Este tutorial explora a auto-observação como um raio de luz direcionado para dentro de mim, uma luz que pode então se propagar para trás para me mostrar como eu estava um momento antes de eu acordar.

Coração e Mente

Este tutorial nos convida a uma observação sincera de nossos esforços. As circunstâncias dentro e fora de nós mudam continuamente; assim deve ser com nossos esforços. A cada mudança, uma nova chave deve ser encontrada para um novo cadeado. A mente (o centro intelectual) é responsável por encontrar a chave, o coração (o centro emocional) por gerar a força por trás de seu uso.

>Você consegue observar momentos em que sua mente sabe qual é o esforço certo, mas seu coração não tem o desejo de fazer esse esforço? Você consegue observar momentos em que seu coração tem o desejo de fazer um esforço, mas sua mente não consegue encontrar a chave certa? E você consegue observar momentos onde o coração e a mente se unem, resultando em um estado mais elevado?

Desvio

Mara seduz Sidarta, assim como a serpente do Gênesis seduz Adão e Eva. Como a serpente, Mara usa a sutileza. Ele lista as riquezas terrenas que Sidarta está prestes a renunciar tolamente. A lição deste episódio está na sincronia do momento: Mara aparece apenas quando Sidarta renuncia as riquezas terrenas.

Pequenos Objetivos

No tutorial sobre “Consciência”, listamos os três parâmetros pelos quais a consciência pode ser medida: frequência, duração e profundidade. No tutorial sobre “Os muitos ‘Eus’”, estudamos a nossa multiplicidade, e criamos choques externos para lembrar-nos de Ser, aumentando assim a frequência. No tutorial sobre a “Auto-Observação”, adicionamos o elemento de observar a nós mesmos a cada momento em que nos lembramos de “Ser”, adicionando dessa maneira profundidade. Neste tutorial vamos adicionar duração. Vamos tentar prolongar a consciência concentrando-nos em uma pequena unidade de tempo e aumentando a frequência até que as muitas faíscas se unam em uma única chama. Vamos nos basear no mito Hindu da Agitação do Oceano Lácteo como sendo uma descrição de como a duração pode ser alcançada resistindo aos hábitos. E vamos definir objetivos específicos para resistir aos hábitos que observamos na semana passada.